Título: Estratégias para a Implementação do Atendimento Homeopático na Rede Pública do Município de São Paulo: um relato histórico
 

Autor: BAROLLO, CR[1].


Co-autores
: MERCUCCI, V[2]; MOREIRA NETO, G[3]; ROCHA, AGA[4].


Instituição
: Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo / CODEPPS – Área Temática de Medicinas Tradicionais, Homeopatia e Práticas Complementares em Saúde.


Delineamento
: relato histórico.


Objetivos
: contribuir para memória histórica da Homeopatia e apresentar as diretrizes que norteiam o atual trabalho do Grupo de Homeopatia do CODEPPS/SMS/SP.


Resumo
: Os autores descrevem a história da implantação e implementação da Homeopatia na Saúde Pública, desde a chegada de Benoit Mure ao Brasil, especialmente no município de São Paulo.

 


1. Introdução

A Homeopatia vem ganhando cada vez mais relevância  na  comunidade  científica  brasileira e internacional, bem como junto à  sociedade por sua  atuação integral no ser  humano e demais seres vivos. Estamos atravessando um momento muito favorável em nosso país, com expansão do atendimento homeopático em vários estados, como forma de atender às diretrizes da Organização Mundial da Saúde e do Sistema Único de Saúde.

Por atender aos princípios do SUS de Integralidade, Universalidade e Humanização, a Homeopatia, por seu caráter generalista de atendimento médico, pode ser aplicada nos diversos níveis de atenção à saúde. Sua prática permite resgatar a relação médico-paciente, tornando o atendimento mais humanizado, contribuindo para uma  maior confiança dos pacientes e usuários do SUS, não somente em relação ao médico como também aos serviços de saúde. Além de permitir a tomada de consciência por parte do paciente de seu processo de doença e cura durante o tratamento homeopático, propiciando uma mudança de atitude, tem maior eficácia nas doenças crônicas, diminuindo a probabilidade de adoecimento e promovendo uma melhor qualidade de saúde e vida dos usuários. 

 

Várias experiências, algumas já registradas na literatura (MOREIRA NETO, 1995),  demonstram  o   bom  desempenho da  Homeopatia na atenção primária à saúde. Sua aceitação pela  população  e  por algumas sociedades  médicas,  sua  oficialização  no  sistema público de  saúde e nos  convênios médicos, tornam necessária sua implementação e um passo muito importante na sua consolidação definitiva na rede pública de saúde.

 

2. Breve Retrospectiva da História da Homeopatia no Brasil, particularmente em São Paulo.

 

Apresentamos a seguir de forma pontual os eventos mais importantes para a Homeopatia no mundo, no Brasil e, particularmente, em São Paulo, desde a introdução da Homeopatia no Brasil:

 

·         Em 1840, chega ao Brasil o médico homeopata francês Benoit Jules Mure (1809-1858), aluno e discípulo de Hahnemann.

·         João Vicente Martins (1808-1854), cirurgião português radicado no Brasil, um dos primeiros discípulos de Benoit Mure e que, juntamente com ele, criou em 1843 o Instituto Homeopático do Brasil e, em 1845, a Escola Homeopática do Brasil.

·         Em 1859, foi fundado o Instituto Hahnemanniano do Brasil, na cidade do Rio de Janeiro, que se tornou a primeira escola de formação de homeopatas no país.

·         Em 1912 foi fundada a Faculdade Hahnemanniana, no Rio de Janeiro.

·         Sabino Olegário Ludgero Pinho (1820-1869), discípulo de João Vicente Martins, introduziu a Homeopatia na Região Norte do país, fundando em Pernambuco, em 1848, a primeira Farmácia Homeopática da América do Sul.

·         Em junho de 1909, foi fundado na cidade de São Paulo o Dispensário Homeopático São Paulo, destinado a prestar assistência gratuita à população, pelos Drs. Alberto Seabra, Murtinho Nobre, Afonso Azevedo, Militão Pacheco e Leopoldo Ramos.

·         Em 12 de junho de 1936, foi fundada a Associação Paulista de Homeopatia.

·         Em julho/1964, foi criada a Cruzada Homeopática de São Paulo pelo Dr. Alfredo Castro e que funciona até hoje; em 1968, o Dr. Alfredo Castro começa a receber estudantes interessados em Homeopatia em sua casa, orientando-os sobre a doutrina e a prática da Homeopatia. Em 1972 o Dr. David Castro passou a contribuir no ensino dos novos homeopatas.

·         Destacamos também o trabalho do Dr. Alfredo Di Vernieri, que introduziu a Homeopatia no Serviço de Assistência Médica Domiciliar de Urgência (SAMDU); do Dr. Arthur de Almeida Rezende Filho que, juntamente com o Dr. Alfredo Castro (de 1947 a 1967), implantou o atendimento homeopático no Hospital Sorocabano; da Dra. Anna Kossak Romanach, que implantou o atendimento homeopático nos Postos de Puericultura da Vila Bancária e Parque da Lapa (1962-1972),  do antigo Departamento Estadual da Criança, da SES-SP, e do Dr. Luiz Monteiro de Barros que exerceu a Homeopatia no antigo Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Bancários (IAPB).

·         Em 1976, começa na Associação Paulista de Homeopatia, o 1º Curso de Especialização em Homeopatia somente para médicos, com duração de 2 anos. A partir deste curso foram surgindo grupos de estudos homeopáticos em todo Brasil, que deram origem aos vários cursos de especialização existentes hoje em todo país.

·         Em Setembro de 1978, na Conferência Internacional de Alma-Ata, URSS, a Organização Mundial da Saúde (OMS) definiu como prioridade absoluta o acesso de toda população mundial à Atenção Primária à Saúde até o ano 2000. Na mesma Conferência ficou recomendada a utilização de práticas da Medicina Tradicional (acupuntura, fitoterapia, ayurveda etc.) e de Práticas Alternativas de Saúde na Atenção Primária à Saúde.

·         Em 24 de novembro de 1979, foi criada a Associação Médica Homeopática Brasileira.

·         Em 28 de julho de 1979, a Homeopatia foi reconhecida como especialidade pela Associação Médica Brasileira.

·         Em 1980, a Homeopatia foi reconhecida como especialidade médica pelo Conselho Federal de Medicina, pela Resolução CFM 1000/80.

·         Em 1981, iniciou-se no Centro de Saúde Experimental da Barra Funda, ligado à Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa, por iniciativa do Dr. Mario Carlos Costa Sposati e colaboradores, o atendimento homeopático para um restrito número de pacientes e que a partir de 1984 foi expandido para os 3 períodos de atendimento.

·         Em 1983, no II Congresso Paulista de Saúde Pública, foi pela primeira vez apresentado o tema Homeopatia na Atenção Primária.

·         Em 1983, foi implantada pela Dra. Anna Kossak Romanach e pelo Dr. Marcelo Pustiglione a Unidade de Homeopatia do Hospital do Servidor Público Municipal (HSPM) sem solução de continuidade até o momento, uma clínica dentro de um dos maiores hospitais públicos do país, com protocolo de atendimento padronizado para demanda livre. Por uma iniciativa anterior do Dr. Carlos de Almeida Prado havia sido implantado o atendimento homeopático no mesmo hospital, extinto por decreto municipal em 1972.

·         Em setembro de 1983, foi iniciado o atendimento homeopático à população no CS-III do Bosque da Saúde, por iniciativa da Dra. Célia Regina Barollo. O atendimento continuou com o trabalho de outros homeopatas até 1995, quando a unidade foi acoplada ao PAM-INANMPS Santa Cruz, tornando–se um Centro de Referência de Tratamento Homeopático da Secretaria Estadual da Saúde. Em 2001, com a municipalização dos serviços de saúde em São Paulo, o serviço passou a ser subordinado à Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo.

·         A partir de 1987, o número de Centros de Saúde com atendimento homeopático foi se multiplicando tanto na cidade de São Paulo como em todo Estado, mas sempre como iniciativa pessoal de homeopatas dotados de boa vontade.

·         Em 1986, o Relatório Final da VIII Conferência Nacional de Saúde recomendou a introdução das Práticas Alternativas de Saúde na rede pública de atendimento.

·         Em 1987 foi realizado o 1º Concurso Estadual para médico homeopata em Marília-SP.

·         Em 8/3/1988 foi publicada a Resolução 04/88 da CIPLAN, fixando as diretrizes para a implantação das Práticas Alternativas de Saúde na rede pública de atendimento.

·         Em 1988, foi criado o Sistema Único de Saúde – SUS -  em todo território nacional.

·         Em 1988, a SES-SP criou o GEPRO de Práticas Alternativas, sob a coordenação do Dr. Gil Moreira Neto, com o objetivo de implantar as Práticas Alternativas na rede do SUS-SP. A partir daí, o atendimento homeopático começou a ser organizado no ESP, mas as atividades do GEPRO foram encerradas em 1992.

·         Durante o funcionamento do GEPRO foi criado, em 1990, o NAPTA (Núcleo de Atendimento e Pesquisa em Terapias Alternativas), no Centro de Saúde do Belenzinho, sob a direção da Dra. Marilena Gentile. Juntamente com o NAPTA foi criada a 1ª Farmácia de Manipulação de Medicamentos Homeopáticos, sob a responsabilidade do Dr. Mauro Maciano dos Santos, tendo suas atividades encerradas em 1994.

·         Em 1989, foi publicada a Resolução 81/89 CIS/SP, definindo as normas de atendimento homeopático na rede estadual de saúde.

·         Em 1989, a AMHB passa a fazer parte do Conselho de Especialidades da AMB.

·         Em 1990, foi realizado o primeiro concurso para concessão de Título de Especialista em Homeopatia, com respaldo da AMB e do CFM.

·         Em 1990, foi realizado o 1º Concurso Público para médico homeopata na PMSP.

·         Em 1993, foi realizado o 2º Concurso Público para médico homeopata na PMSP.

·         Em 1994, foi  implantado o atendimento homeopático no Centro de Saúde Escola “Geraldo de Paula Souza”, na Faculdade de Saúde Pública de São Paulo-USP, com o objetivo de realizar atendimento médico e pesquisa, e que se mantém em atividade até o momento.

·         Em 2000, a AMHB, através de sua Comissão de Saúde Pública, lançou o Projeto “Homeopatia Para Todos” no Rio de Janeiro, divulgando o documento para todas as Federadas.

·         Em maio/2000, foi remontada (a partir dos equipamentos do NAPTA) a Farmácia Homeopática Estadual, sob a direção da Dra. Alcione Geralda de Alencar Rocha, na Rua Ferreira de Araújo, 789, na sede do CS-1 de Pinheiros.

·         Em julho/2001, foi criado e começou a funcionar o Departamento de Saúde Pública da APH, sob a coordenação do Dr. Gil Moreira Neto, com o objetivo discutir a consolidação da prática homeopática no serviço público em São Paulo. Para tanto, fazia-se necessário realizar um levantamento da situação da Homeopatia na rede pública do Estado e da Prefeitura de São Paulo, para estabelecer estratégias de ação. Foram realizadas três reuniões e o trabalho foi interrompido.

·         Em 2002, foi realizado o 3º Concurso Público para médico homeopata na PMSP.

·         Jun/2002 – realizado o I Encontro de Homeopatia da Cidade de São Paulo

·         Em junho/2003, foi aprovada a Residência Médica em Homeopatia pelo Ministério da Saúde e pela Comissão Nacional de Residência Médica – CNRM.

·         Em 5 de junho/03, em reunião no Ministério da Saúde, foi criada uma comissão para incentivar práticas não convencionais na rede do SUS.

·         Em julho/03, os Drs. Corrado G.Bruno e Áurea Pasqualicchio terminaram a pesquisa sobre a situação da Homeopatia no âmbito estadual e municipal em São Paulo. A partir dessa data, foi reiniciado o trabalho do Departamento de Saúde Pública da APH, sob a coordenação da Dra. Célia R. Barollo.

·         Em agosto/03, o Conselho Científico da AMB aprovou a "Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos 2003", da qual passou a fazer parte o procedimento 1.01.06.008-4 referente à Repertorização Homeopática.

·         Dez/2003 - Reunião do Departamento de Saúde Pública da Associação Paulista de Homeopatia com o então Secretário Municipal de Saúde, sendo  constituído a seguir o Grupo de Trabalho de Homeopatia na CoGest (atual CODEPPS)/SMS - Área Temática de Medicinas Tradicionais, Homeopatia  e Práticas Complementares de Saúde.

·         Fev/2004 – início das reuniões semanais do Grupo Temático de Homeopatia do COGEST- SMS.

·         Mai/2004 – realizado o II Encontro de Homeopatia da Cidade de São Paulo.

·         Oficialização, através da Portaria 304/04, publicada em 01/06/2004 , o Grupo de Homeopatia no CoGest, dando novo impulso ao movimento homeopático e desencadeando ações efetivas de implementação do atendimento na rede do SUS.

·         Set/2004 – realizado o I Seminário Paulista “A Homeopatia que queremos no SUS-SP”, em parceria com a Associação Paulista de Homeopatia.

·         Dez/2004 – definição das Diretrizes do Atendimento Homeopático na SMS-SP, a partir das discussões do I Seminário Paulista “A Homeopatia que queremos no SUS-SP” (aguardando publicação.

·         Dez/05 a Março/06 –  realização do I Curso de Recapacitação para homeopatas da rede municipal de São Paulo, na Associação Paulista de Homeopatia, com recursos do CEFOR.

Em fevereiro de 2005 foi pactuada e aprovada na CIT (MS) e, em 15/12/2005, parcialmente no Conselho Nacional de Saúde (CNS), as diretrizes da PNPIC – Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Sua aprovação pelo CNS foi concluída em 09/02/06 e publicada no DO da União em 10/02/2006. A Política trata da inserção da Medicina Tradicional Chinesa, Homeopatia, Fitoterapia, Plantas Medicinais e Termalismo no Sistema Único de Saúde. Em 3 de maio de 2006 foi publicada no DO da União, a Portaria Nº 971, aprovando a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde.

3. Atendimento Homeopático na SMS-SP (dados de 2003-2004)

n       400 UBs

n       69 UBs com médicos homeopatas

n       37 UBs com atendimento homeopático

q      13.572 consultas homeopáticas/2003 (sub-notificadas)

q      12.622 consultas homeopáticas/2004 (sub-notificadas)

n       Farmácia Homeopática (SES)

q      16.800 receitas/ano aviadas no balcão da farmácia

n       15% receitas com medicamento único

n       80% receitas com 2 a 5 medicamentos

n       5% receitas de complexos

q      18.000 frascos/ano distribuídos para as 37 UBs

 

 

4. Homeopatas nas UBs e situação de  atendimento nas 5 Coordenadorias de SMS-SP – (dados-jan/06)

 

Atendimento

UBs

No Profissionais

Sim

37

48*

Não

32

49

Total

69

97

* diariamente

 

Estes dados referem-se ao número declarado de homeopatas; entretanto, sabemos que o número de homeopatas na rede é muito maior, pois uma grande parte não tem interesse em ser identificada como tal e não tem interesse em fazer atendimento homeopático devido à estrutura de atendimento baseada em produção e não em qualidade de atendimento. Em alguns casos, a chefia imediata também não permite o atendimento.

 

5. Perfil dos Médicos Homeopatas da rede municipal da SMS/SP

 

Tabela I -  Distribuição do perfil dos participantes do I Seminário Paulista “A Homeopatia que queremos no SUS-SP”, realizado em set/2004, em São Paulo, segundo TEH e prática homeopática.

 

Profissionais

 

TEH

Prática

Sim

Nº      %

Não

Nº      %

Unicista

Nº      %

Pluralista

Nº      %

Médicos que atuam nas UBSs

 

15

 9        60

6       40

7         47

8         53

Médicos que atuam no nível central da SMS/SP

 

8

6        75

 2        25

-

-

Médicos da SES

 

2

2      100

0          0

2      100

0           0

Médicos de Secretaria de Saúde Municipal do interior

1

1      100

0          0

1      100

0           0

Médicos de Entidades Formadoras e APH

8

8      100

0          0

-

-

Farmacêuticos

 

6

-

-

-

-

Enfermeiros

 

1

-

-

-

-

Total

 

41

26     76

8      24

10      55

8      45

 

Diante do resultado da pesquisa, com 40% dos médicos que atuam nas UBSs sem TEH, a garantia da qualidade e da ampliação do atendimento homeopático na rede de saúde municipal pode e deve ser obtida com profissionais atualizados em sua área de atuação, justificando-se a promoção e execução de um curso de capacitação para a prova de TEH, bem como a implantação de um Projeto de Educação Continuada e Treinamento em Serviço.

 

Nesse sentido, o Grupo de Homeopatia da Área Temática de Medicinas Tradicionais, Homeopatia e Práticas Complementares em Saúde do CODEPPS – SMS, realizou o I Curso de Recapacitação em Homeopatia para obtenção de TEH, para os médicos da rede municipal de saúde, aprovado e financiado pelo CEFOR-SMS, em parceria com a Associação Paulista de Homeopatia, no período de dez/05 a março/06, com 7 blocos de 12 horas de duração, realizados nos finais de semana, ministrado pelos professores da APH, ICEH e ABRAH.

 

Tabela II – Distribuição do perfil dos participantes do I Curso de Recapacitação em Homeopatia para obtenção de TEH, realizado no período de dez/05 a mar/o6, em São Paulo, segundo TEH e prática homeopática.

 

Profissionais  Homeopatas

TEH

Prática

Sim

Nº      %

Não

 Nº      %

Unicista

  Nº      %

Pluralista

  Nº      %

Médicos que freqüentaram o curso

 

30*

3        13

 26      87

15        52

14        48

Médicos formados há dez anos ou mais

 

22

4         18

18      82

11        50

11       50

Médicos formados há menos de dez anos

 

8

0           0

8       100

4         50

4         50

Médicos que atuam na rede municipal

 

22

1           5

21     95

10       45

12       55

* Freqüentaram também o curso: uma médica veterinária e uma aluna de Curso de Formação; portanto, totalizando 32 participantes.

 

No total, se inscreveram 53 médicos da SMS/SP, mas apenas 32 freqüentaram o curso, dos quais, apenas 21 tiveram 25 % de freqüência e receberam certificado de participação. Dos 26 sem TEH, 19 (73%) se inscreveram para a Prova de TEH da AMHB, realizada em 02/04/2006.

 

Dos 32 que freqüentaram o curso, 18 responderam ao questionário de avaliação: 7 consideraram o curso Ótimo (39%), 10 Bom (56%) e 1 Regular (5%): 12 (67%) referiram que houve muita informação em pouco tempo de curso e 15 (83%) solicitaram mais cursos de atualização e educação continuada com prática, revisão de conceitos segundo as várias escolas, conduta em agudos e graves,  e discussão de casos clínicos. Dos 7 (27%) que fizeram o curso, mas não se inscreveram para a prova de TEH, 4 responderam ao questionário de avaliação: 2 perderam o prazo de inscrição e dois porque estava muito cara a inscrição.

 

Como se pode observar, nas duas pesquisas, a prática unicista e pluralista na rede está equilibrada (cerca de 50% cada uma), embora na avaliação do I Curso de Recapacitação em Homeopatia, 5 médicos com prática pluralista referiram que reformularam sua prática após o curso.

 

6. Criação e implantação de Centros de Referência na SMS/SP

 

Em nov/05, foi implantado um Centro de Referência de Medicinas Tradicionais, Homeopatia e Práticas Complementares em Saúde na CRS-Leste, e está em fase de implantação,  o Centro de Referência Bosque da Saúde na CRS-Sudeste. Tais Centros de Referência serão destinados tanto ao atendimento homeopático como ao atendimento em medicinas tradicionais e práticas complementares de saúde, que deverão ser incorporadas progressivamente de acordo com o andamento do processo de implantação do programa:

  • Homeopatia
  • Medicina Tradicional Chinesa
  • Práticas corporais
  • Medicina Ayurvédica
  • Antroposofia
  • Fitoterapia
  • Orientação nutricional

 

Espera-se que os Centros de Referência possam desenvolver e implantar progressivamente as seguintes atividades:

  • Atendimento Clinico  em Medicinas Tradicionais, Homeopatia e Práticas Complementares em Saúde na Atenção Primária.
  • Formação em Serviço:
    • Supervisão de casos clínicos
    • Atendimento com supervisão clínica
    • Estágio para alunos em formação (dos cursos de especialização)
    • Residência Médica ambulatorial em Homeopatia
    • Realização de Cursos e Treinamentos em Serviço para médicos e demais servidores
  • Divulgação do atendimento junto à população e educação da população para os atendimentos propostos.

 

5. Propostas do Departamento de Saúde Pública da APH e do Grupo de Trabalho de Homeopatia da CoGest (atual CODEPPS) /SMS-SP - Área Temática de Medicinas Tradicionais, Homeopatia  e Práticas Complementares de Saúde:

·         Realização de um Seminário Nacional para promoção de uma discussão ampla, visando definir conceitos, objetivos e estratégias de atuação;

·         Elaboração de um Programa Plurianual  da APH que norteie sua atuação no âmbito da Saúde Pública;

·         Geração de projetos de pesquisa e produção de evidências dos benefícios do atendimento homeopático na rede de Saúde Pública;

·         Participação ativa de outras Associações de homeopatas e representantes dos Cursos de Homeopatia: ABRAH, AMHESP, APCDH, APFH, APVH, EPH e IBEHE;

·         Participação do 3º Setor que presta atendimento homeopático à população;

·         Implantação na APH de um programa de Educação da População para a Homeopatia, com a organização de palestras de divulgação dos princípios homeopáticos e evidências de sua eficácia;

·         Celebração de convênio de cooperação técnica, particularmente entre as Associações Homeopáticas e a PMSP, visando criar um programa de educação continuada e supervisão de casos para os homeopatas que atuam na rede pública.

6. Estratégias planejadas e executadas:

 

1)      Levantamento do número e local de trabalho dos médicos homeopatas na rede do SUS/SMS/SP

2)      Realização dos I e II Encontros de Médicos Homeopatas da rede municipal.

3)      Definição das Diretrizes do Atendimento Homeopático na SMS-SP, a partir das discussões do I Seminário Paulista “A Homeopatia que queremos no SUS-SP” (aguardando publicação.

4)      Realização do I Curso de Recapacitação para médicos homeopatas da rede municipal de São Paulo

 

7. Estratégias  e projetos em andamento

 

1) Projeto de Educação Continuada e Treinamento em Serviço para os Médicos Homeopatas da Rede Municipal de Saúde – SP

·         Apresentado e aprovado no NEP-Sudeste – Núcleo de Educação Permanente da Coordenadoria de Saúde Sudeste - em março/2006.

·         Apresentado e aprovado no Fórum Municipal de Educação da SMS/SP - em maio/2006.

·         Os próximos passos serão a aprovação do projeto pela Comissão de Pareceristas de Projetos e no Pólo de Educação Permanente (PEP) da Grande São Paulo, no qual participam os representantes de 39 municípios, a seguir pelo PEP Estadual e, posteriormente, pelas áreas técnicas do Ministério da Saúde.

 

8. Considerações finais

 

Pelo histórico apresentado, ficam evidentes os avanços e retrocessos intermitentes do processo de implantação e implementação da Homeopatia na Atenção Primária, Secundária e Terciária em nosso país, desde a chegada de Benoit Mure.

 

A falta de uma política pública planejada, consistente  e com continuidade no campo da Saúde Pública, talvez seja a maior responsável por essa flutuação ao sabor da vontade política dos gestores do serviço público.

A atuação do Departamento de Saúde Pública da Associação Paulista de Homeopatia, com representantes no nível central da SMS/SP foi decisiva para algumas conquistas conseguidas nos últimos anos, como por exemplo a realização do I Seminário Paulista “A Homeopatia que queremos no SUS-SP”  e do I Curso de Recapacitação em Homeopatia, para os médicos homeopatas da rede municipal, ambos eventos uma parceria entre a SMS/SP e a APH.

Esperamos e queremos acreditar que a recente publicação da Portaria Nº 971, aprovando a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde, signifique um avanço definitivo em direção à implantação efetiva e definitiva da Homeopatia no SUS.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

CESAR, AT – O medicamento homeopático nos serviços de saúde, Rev. Hom., 2001, vol 66, nº 1: 33-50.

 

COMISSÃO DE SAÚDE PÚBLICA DA AMHB – Proposta para implantação de atendimento homeopático na rede pública, Rev. Hom., 1995, vol 60, nº 2: 35-39

 

MOREIRA NETO, G. – Homeopatia em unidade básica de saúde (UBS): um espaço possível, Rev. Hom., 2001, Vol 66, nº1: 4-26.

 

PINHEIRO, D. - Contribuição à história da homeopatia em São Paulo, Rev. Hom, 2000, vol 65, nº 2: 35-54.

 

SILVA, JBT; SPOSATI, MC; CARLOVICH FILHO, J.; CUDIZIO FILHO, O. – Atendimento homeopático no Centro de Saúde da Barra funda – SP: uma contribuição à Atenção Primária à Saúde, Rev.Hom., 1989, 126-130.

 


 

[1] Médica Homeopata, autora principal do trabalho, responsável pelos atendimentos homeopáticos no JHA, membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Homeopatia (NEPH/UNIFESP), doutoranda do Departamento de Medicina Preventiva da EPM/UNIFESP.

[2] Farmacêutica Homeopata, mestre em Homeopatia pelo PPG/CIP/SES-SP.

[3] Médico Homeopata, mestre em Homeopatia pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo.

[4] Farmacêutica homeopata.